Insônia

A insônia é um distúrbio do sono caracterizado como uma incapacidade de adormecer ou permanecer dormindo. Muitos adultos experimentam períodos de insônia em algum momento da vida, mas algumas pessoas têm insônia em longo prazo, chamada de insônia crônica. A insônia pode ser o problema principal, ou pode ser secundária devido a outras causas, tais como uma doença ou medicação.

Pessoas com insônia se queixam normalmente da incapacidade de fechar os olhos ou “descansar sua mente”. Elas conseguem fazer isso só por alguns minutos de cada vez. Embora existam vários graus diferentes de insônia, três tipos de insônia têm sido claramente identificados: transitória, aguda e crônica.

  1. Transitória: A insônia transitória dura de dias a semanas. Ela pode ser causada por outra desordem, por alterações no ambiente de sono, pelo tempo de sono, depressão grave ou pelo estresse. Suas consequências são a sonolência e desempenho psicomotor prejudicado, que são semelhantes aos da privação do sono.
  2. Aguda: É a incapacidade de dormir bem, e consistentemente, durante um período compreendido entre três semanas a seis meses.
  3. Crônica: A insônia crônica dura por anos. Ela pode ser causada por outra desordem, ou pode ser uma deficiência primária. Os seus efeitos podem variar de acordo com as suas causas. Eles podem incluir sonolência, fadiga muscular, alucinações e/ou fadiga mental. Algumas pessoas que vivem com esta desordem veem as coisas como se estivessem acontecendo em câmera lenta, enquanto os objetos em movimento parecem se misturar. Esse tipo de insônia pode causar uma visão duplicada.

Insônia primária e insônia secundária

Certas condições médicas, medicamentos, distúrbios do sono e substâncias podem causar insônia secundária. Ao contrário da insônia primária.

  • Insônia primária:Insônia primária significa que uma pessoa está tendo problemas de sono que não estão diretamente associados a qualquer outra condição de saúde ou problema.
  • Insônia secundária:Insônia secundária significa que uma pessoa está tendo problemas de sono por causa de outra coisa, como uma condição de saúde (como asma, depressão, artrite, câncer, ou azia); dor; medicação que está tomando ou uma substância que possa estar usando (como o álcool).

Encontrar a causa subjacente da insônia é geralmente necessário para curá-la. A insônia pode ser comum após a perda de um ente querido, mesmo anos ou décadas após a morte, caso a pessoa não tenha passado pelo processo de luto. Em geral, os sintomas e o grau da sua gravidade afetam cada pessoa de forma diferente, dependendo de sua saúde mental, condição física e atitude ou personalidade.

Um equívoco comum é que a quantidade de sono que uma pessoa requer diminui à medida que ela envelhece. Alguns insones idosos podem se mexer muito durante a noite, e virar na cama, o que, ocasionalmente, pode causar uma queda da cama à noite, e isso influencia a diminuição da quantidade de sono que recebem.

Pessoas portadoras de vários distúrbios, incluindo síndrome da fase atrasada do sono, são frequentemente mal diagnosticadas com insônia. Se uma pessoa tem problemas para dormir, e não tem a arquitetura do sono normal, uma vez adormecida, um distúrbio do ritmo circadiano é uma causa provável. É importante identificar ou descartar problemas médicos e psicológicos antes de decidir sobre o tratamento para a insônia.

Sintomas

As causas, sintomas e gravidade da insônia variam de pessoa para pessoa. A insônia pode incluir:

  • Dificuldade em adormecer;
  • Dificuldade em manter o sono durante toda a noite;
  • Acordar muito cedo pela manhã.

A insônia envolve tanto um distúrbio do sono à noite quanto sintomas diurnos. Os efeitos da insônia podem afetar quase todos os aspectos da vida de uma pessoa. Estudos mostram que a insônia afeta negativamente o desempenho do trabalho, prejudica a tomada de decisão e pode também prejudicar as relações pessoais. Na maioria dos casos, as pessoas com insônia relatam uma piora na qualidade de vida como um todo.

Todo mundo tem uma noite ocasional de sono de má qualidade. Em muitos casos, isso é devido a ficar acordado até tarde ou acordar muito cedo. E isso não significa que você tem insônia, isso significa que você não conseguiu dormir o suficiente durante a noite.

Cerca de 30 a 35% dos adultos queixam-se de insônia, segundo especialistas. E é mais comum em grupos de idosos, mulheres e pessoas sob estresse e com determinados problemas de saúde médica e mental, como a depressão.

Existem dois tipos de insônia com base na regularidade e na duração dos sintomas de distúrbios do sono:

  • Insônia de curto prazo:Este tipo de insônia breve dura por até três meses. Ela ocorre em 15 a 20% das pessoas.
  • Insônia crônica:Este tipo de insônia ocorre pelo menos três vezes por semana e tem a duração de pelo menos três meses. Cerca de 10% das pessoas têm insônia crônica.

Diagnósticos e exames

A maioria das pessoas não precisa fazer testes especiais do sono para determinar a insônia. O médico, muitas vezes, é capaz de diagnosticar se a pessoa tem insônia com base em uma análise no padrão de sono. Para entender isso, eles podem pedir a pessoa para manter um “diário do sono”, durante pelo menos duas semanas. E nesse diário, serão registradas coisas como:

  • A hora de ir para a cama;
  • Quanto tempo a pessoa leva para pegar no sono;
  • Quantas vezes acorda durante a noite;
  • Que horas acorda;
  • Se a pessoa se sente cansada durante o dia e se teve quaisquer

O médico provavelmente irá diagnosticar a insônia com base em históricos médicos e de sono e um exame físico. Ele também pode recomendar à pessoa dormir mais. Por exemplo, você pode ter um estudo do sono, se a causa de sua insônia não for clara.

Histórico médico

Para descobrir o que está causando a insônia, o médico pode perguntar algumas coisas sobre o histórico médico, como:

  • Tem quaisquer problemas novos ou em curso de saúde?
  • Tem lesões dolorosas ou condições de saúde, como artrite?
  • Toma quaisquer medicamentos?
  • Têm sintomas ou um histórico de depressão, ansiedade ou psicose?
  • Está lidando com eventos de vida altamente estressantes, como divórcio ou morte?

O médico também pode fazer perguntas sobre o seu trabalho e hábitos de lazer. Por exemplo, ele pode perguntar sobre a sua rotina profissional e de exercícios físicos; o uso de cafeína, tabaco e álcool e o histórico de viagens (se é de muitas viagens longas ou curtas). As respostas podem dar pistas sobre o que está causando a insônia.

O médico também pode perguntar se a pessoa tem problemas pessoais ou outras tensões na vida. Além disso, pode perguntar se a pessoa tem outros membros da família que têm problemas de sono.

História do sono

Para ter uma melhor noção do problema de sono, o médico irá pedir para obter detalhes sobre os hábitos de sono. Antes da visita, é importante que a pessoa pense sobre como descrever os seus problemas, incluindo:

  • Quantas vezes teve problemas para dormir e há quanto tempo tem o problema.
  • Que horas vai para a cama e a que horas acorda em dias de folga.
  • Quanto tempo leva para adormecer, quantas vezes acorda durante a noite e quanto tempo leva para voltar a cair no sono.
  • Se ronca alto e muitas vezes ou acorda ofegante ou se sentindo pouco atordoado.
  • Como se sente quando acorda, e como se sente cansado durante o dia.
  • Quantas vezes cochila ou tem problemas para ficar acordado durante as tarefas de rotina, especialmente na condução, ao volante.

Para descobrir o que está causando ou agravamento a insônia, o médico também pode solicitar informações como:

  • Se a pessoa se preocupa com o ato de adormecer, manter o sono ou dormir o suficiente.
  • O que come ou bebe, e se toma medicamentos antes de ir para a cama.
  • Qual rotina segue antes de ir para a cama.
  • Em qual nível de ruído, iluminação e temperatura a pessoa dorme.
  • Quais distrações, como uma TV ou computador, estão no quarto.

Para ajudar o médico, é importante considerar manter essa espécie de diário do sono por uma ou duas semanas, anotando a hora em que vai dormir, acorda e tira cochilos. Por exemplo, a pessoa pode anotar algo como: “Hoje eu fui para a cama às 22 horas, acordei às 3 da manhã e não consegui voltar a dormir. Durante o dia, eu tirei dois cochilos no trabalho”.

Também é importante anotar o quanto a pessoa dorme a cada noite, bem como a forma como se sente sonolenta durante o dia.

Exame físico

O médico fará um exame físico para descartar outros problemas médicos que podem estar causando a insônia. A pessoa também pode precisar de exames de sangue para verificar se há problemas de tireoide ou outras condições que podem causar problemas de sono.

Estudo do sono

 O médico pode recomendar um registro simultâneo de algumas variáveis fisiológicas durante o sono, chamado de polissonografia (PSG), se ele acredita que um distúrbio do sono subjacente está causando a insônia.

A pessoa provavelmente vai passar a noite em um espaço preparado especialmente para isso, para realizar o estudo. O PSG registra a atividade do cérebro, os movimentos dos olhos, da frequência cardíaca e da pressão arterial.

A PSG também registra a quantidade de oxigênio no sangue, a quantidade de ar que está se movendo através do nariz da pessoa enquanto ela respira, o ronco e os movimentos do tórax. Os movimentos do tórax mostram se a pessoa está fazendo um esforço para respirar.

Se você estiver enfrentado problemas para dormir, fale com o seu médico se você acha que pode ser insônia. A avaliação pode incluir um exame físico, histórico médico e um histórico de sono. É importante saber que a insônia é um distúrbio, e não uma doença. Mas deve ser evada tão a sério quanto. Alguns problemas de saúde podem causar insônia aguda, como resfriado, gripe ou alergias.

Tratamento para insônia

Mudanças de estilo de vida, muitas vezes, podem ajudar a aliviar (em curto prazo) a insônia aguda. Essas alterações podem tornar mais fácil o ato de adormecer e permanecer dormindo.

Um tipo de aconselhamento chamado Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) pode ajudar a aliviar a ansiedade ligada à insônia crônica (em curso). A ansiedade tende a prolongar a insônia.

Vários medicamentos também podem ajudar a aliviar a insônia e a reestabelecer um horário de sono regular. No entanto, se a insônia for o efeito dos sintomas ou de outro problema, é importante tratar a causa subjacente (se possível).

Mudanças de estilo de vida

Se você tem insônia, evite substâncias que pioram a situação, tais como:

  • Cafeína, tabaco e outros estimulantes. Os efeitos destas substâncias podem durar até 8 horas.
  • Certos medicamentos de prescrição que podem perturbar o sono (por exemplo, alguns medicamentos para resfriado e alergia). Converse com seu médico sobre quais os medicamentos que não vão perturbar seu sono.
  • Álcool. A bebida alcoólica, antes de dormir, pode tornar mais fácil para pegar no sono. No entanto, o álcool desencadeia o sono ,que tende a ser mais leve do que o normal. Isso torna mais provável que você acorde durante a noite.

Tente adotar hábitos na hora de dormir que tornam mais fácil para adormecer e permanecer dormindo. Siga uma rotina que ajuda a descontrair e relaxar antes de dormir. Por exemplo, ler um livro, ouvir música suave ou tomar um banho quente. Tente também agendar o seu exercício diário pelo menos 5 a 6 horas antes de ir para a cama. Não coma refeições pesadas ou beba muito antes de deitar.

Faça o seu quarto de sono perfeito para dormir. Evite iluminação brilhante, e que fique diretamente no seu rosto. Tente limitar possíveis distrações, como uma televisão, computador ou animal de estimação. Certifique-se de que a temperatura do seu quarto é fresca e confortável. O seu quarto também deve ser escuro e silencioso.

Vá dormir mais ou menos no mesmo horário toda noite e acorde no mesmo horário todas as manhãs, mesmo nos fins de semana. Se você puder, evite turnos noturnos, horários alternados ou outras coisas que podem perturbar o seu horário de sono.

Medicamentos para insônia

Alguns medicamentos podem tratar a insônia, mas eles não podem trabalhar por muito tempo, e às vezes, podem fazer você sentir sonolência no dia seguinte. Uma vez que você começa a tomar medicamentos para ajudar a dormir, você também pode achar que precisará tomar mais e mais para obter o mesmo efeito. Porém, estes medicamentos podem ser viciantes, e podem causar efeitos secundários. Os idosos, em particular, têm um maior risco de terem efeitos colaterais, que podem levar a quedas da cama e lesões.

Se você tem insônia grave, o seu médico poderá proscrever a você medicamentos hipnóticos, tais como temazepam ou zopiclone. Você pode tomar estes medicamentos por até duas semanas. É importante que, enquanto estiver tomando-os, não dirigir, operar máquinas ou trabalhar em alturas se ainda se sentir sonolento na manhã depois de tomar os hipnóticos.

Medicamentos como a prometazina também estão disponíveis para compra sem receita médica. Estes tipos de medicamentos são chamados de sedativos anti-histamínicos. Eles são menos propensos a ser viciantes, mas ainda têm outros efeitos colaterais, como a sonolência durante o dia.

Se você estiver com mais de 55 anos, o seu médico pode proscrever melatonina por algumas semanas. A melatonina é um hormônio que o seu corpo produz, e que ajuda a controlar o seu padrão de sono. É importante ter em mente que a melatonina pode causar efeitos colaterais, como irritabilidade, dores de cabeça e tonturas.

Terapias comportamentais

Os seguintes tratamentos podem ajudar as pessoas a aprenderem sobre como melhorar o sono:

  • A Terapia Comportamental Cognitiva (TCC)  pode ajudar a lidar com quaisquer preocupações que podem levar a problemas de sono. Ela também pode apoiar o desenvolvimento de pensamentos positivos sobre o sono, reduzindo qualquer preocupação da pessoa sobre as consequências de não dormir o suficiente. Isso é importante para aprender o que é um sono saudável e como lidar com quaisquer pensamentos negativos sobre o sono.
  • A terapia de controle de estímulos pode ajudar a se conectar à cama ao ir dormir e criar uma rotina de sono regular. Pode também envolver sair da cama e fazer algo relaxante, se você for incapaz de adormecer dentro de 15 a 20 minutos.
  • Terapia de relaxamento pode ajudar a relaxar os músculos e limpar a mente de pensamentos perturbadores.
  • A terapia de restrição do sono limita à quantidade de tempo que a pessoa gasta na cama até o momento em que está realmente dormindo.

Terapias complementares

Os médicos têm considerado algumas terapias complementares, como acupuntura, homeopatia e remédios a base de ervas como uma opção de tratamento para a insônia. Mas há certas incertezas sobre quão bem eles trabalham. No momento, não há uma prova científica de que eles ajudam, embora muitas pessoas se sentem bem quando utilizam.

Se é algo que você gostaria de tentar, seu médico pode ajudar com alguns conselhos. É importante lembrar que, se você consultar um médico de terapia complementar, verifique se ele é devidamente qualificado e registrado por um órgão reconhecido. Lembre-se de perguntar sobre os efeitos colaterais, e se estiver tomando outros medicamentos prescritos, pergunte a ele sobre quaisquer integrações de medicamentosas e suas consequências.

Prevenção da Insônia

Há algumas atitudes que podem ajudar a evitar a insônia. Muitas delas são como formas de se permitir dormir bem. Por exemplo, muitas pessoas acreditam que ouvir música de ritmo lento ajuda a adormecer melhor.

Alguns hábitos para evitar a insônia e dormir bem e tranquilamente durante toda a noite incluem:

  • Praticar exercícios regularmente, mas não fazer atividades extenuantes dentro de quatro horas antes de ir para a cama, porque isso pode perturbar o sono.
  • Um banho quente, uma bebida quente à base de leite, ler ou ouvir música suave podem ajudar a relaxar antes de ir dormir.
  • Ir para a cama no mesmo horário a cada noite e se levantar no mesmo horário todas as manhãs pode ajuda a desenvolver um padrão de sono.
  • Apenas ir dormir quando estiver se sentindo sonolento é um bom hábito. Se você não consegue ter sono para ir para à cama, leia um livro, ouça uma música calma ou faça algo relaxante até sentir sono, mas não tão intenso a ponto de fazer perder a vontade de dormir.
  • Verificar se o quarto não é muito quente ou frio, ou muito barulhento e iluminado. Ter um colchão de boa qualidade e usar protetores auriculares ou uma máscara de olho pode ajudar a filtrar qualquer ruído ou luz, e manter um sono tranquilo.
  • É importante usar o quarto para dormir, e não para trabalhar. Computadores, por exemplo, devem fica em outras áreas da casa, sempre que possível.
  • Se algo preocupante está em sua mente, mas você não pode fazer nada sobre isso imediatamente, anote antes de ir dormir, e deixe para resolver o problema no dia seguinte.

Algumas coisas devem ser evitadas para não agravar o quadro de insônia ou prejudicar o sono. Estas coisas incluem:

  • Não tomar bebidas que contenham cafeína ou álcool no prazo de seis horas antes de ir para a cama.
  • Não fumar antes de ir para a cama.
  • Não ter refeições pesadas ou comer muito especialmente dentro de algumas horas antes de ir para a cama.
  • Tentar não olhar para o seu relógio constantemente antes de dormir. Isso pode fazer você se sentir mais frustrado sobre estar acordado e impedi-lo de começar ou voltar a dormir.
  • Desligar dispositivos eletrônicos que podem tirar a atenção ao momento de dormir, como por exemplo, telefones, tablets e televisores.
  • Não tirar cochilos durante o dia. Cochilar durante o dia pode tornar difícil pegar no sono na hora de dormir, no caso, à noite.

É importante ressaltar que todo o conteúdo deste artigo é geral, para levar a você as melhores informações sobre a insônia, e quaisquer indagações devem ser levadas a um profissional de saúde. Não tome qualquer medida sem antes obter uma orientação especializada. A insônia é um distúrbio que deve ser levado a sério, e acompanhada por um profissional.

E então, gostou do conteúdo? Conte nos comentários suas experiências ou deixe suas dúvidas. Será um prazer conversar com você.